terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Homem é acusado de aplicar golpes até na sogra em Vicente Pires


Falsário é suspeito de vender terrenos em várias regiões do DF para uma série de vítimas ao longo dos últimos 10 anos


Com boa aparência, lábia afiada e vendendo sonhos, um golpista que atua no Distrito Federal destrói o bolso das vítimas que cruzam o seu caminho. Alvo de investigações da Polícia Civil, o homem não perdoou nem a própria sogra para tirar vantagem financeira. Apelidado de “golpista dos lotes”, Rafael de Queiroz Borges, 34 anos, é acusado de vender ilegalmente terrenos em várias regiões do DF para diversas pessoas ao longo dos últimos 10 anos.

Inquérito instaurado na 38ª Delegacia de Polícia (Vicente Pires) tenta mapear as ações de Rafael e seus últimos golpes. De acordo com os investigadores, o homem chegava a vender os mesmos lotes — sobre os quais nunca fora dono — para clientes diferentes. Em fevereiro de 2015, por exemplo, as vítimas foram um casal. O homem e a mulher aceitaram pagar R$ 145 mil por um terreno em uma chácara de Vicente Pires.

O golpista utilizava anúncios em um site de vendas para conseguir se aproximar das vítimas. O casal, que mora no Plano Piloto, se interessou pelo lote de 400m² e entrou em contato. Um suposto intermediador, identificado como Marcelo Mendes, atendeu a ligação. Os compradores foram até a Rua 10 de Vicente Pires para conhecer o terreno, anunciado por R$ 150 mil. No entanto, o caseiro da propriedade não estaria no momento.

Cláudia e Pedro (nomes fictícios), que estavam interessados na compra do lote, retornaram ao local e marcaram um encontro na casa do falsário. Ele apresentou um mapa com os lotes “disponíveis para venda”. O casal escolheu o de número 21 e agendou uma data para retornar e formalizar uma proposta. Acreditando na palavra do estelionatário, as vítimas se dispuseram a pagar R$ 145 mil.

Rafael de Queiroz Borges é alvo de 19 ocorrências policiais


Parcelas
Animado, Rafael fez acordo com o casal para que o pagamento fosse feito em parcelas, sendo três iniciais de R$ 20 mil, mais uma quarta parcela de R$ 80 mil e o último de R$ 5 mil. Os dois primeiros cheques foram compensados, mas o lote, que nunca pertenceu a Rafael, jamais foi entregue.

“Até hoje, nunca recebi os R$ 40 mil que paguei de entrada no terreno. O Rafael se aproveitou de um momento de fragilidade da minha família, pois minha sogra havia acabado de morrer e nós queríamos sair do apartamento e construir uma casa”, contou Cláudia.

Rastro de vítimas
Uma pilha de ocorrências policiais contra Rafael foi registrada em várias delegacias do DF. Contra ele, pesam 19 registros envolvendo crimes de parcelamento irregular do solo, dano ambiental, apropriação indébita, receptação, ameaça e injúria.

O golpista também foi denunciado por vender o mesmo lote várias vezes para vítimas diferentes no Assentamento 26 de Setembro. Duas famílias pagaram R$ 45 mil pelo mesmo terreno. Quando chegaram no local, uma terceira pessoa já construía uma casa no local. Nenhum deles conseguiu reaver o dinheiro.

Até a sogra foi vítima
Quando o assunto é tirar vantagem, Rafael não perdoou nem a própria sogra. A mulher registrou uma ocorrência contra o genro após a compra de um carro, em 2007. O golpista deixou de pagar as prestações do carro que estava no nome dela. Questionando pela vítima, ele ainda a teria ameaçado, dizendo que, caso a polícia fosse procurada, “saberia quem ele era”.

O suspeito chegou a ser intimado para prestar depoimento na 38ª DP sobre a venda do lote em Vicente Pires. Ele confessou que não tinha a autorização do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) para comercializar imóveis. Rafael afirmou que não sabia sobre a falsificação da cessão de uso e garantiu que pagou pelo lote.

O Metrópoles tentou entrar em contato com o suspeito em vários telefones que ele informou à polícia como sendo dele, mas nenhum dos aparelhos estava ligado.

Cuidado com grileiros
O presidente da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap), Julio Cesar Reis, alerta para os perigos de se comprar lotes irregulares.


“A população deve se afastar ao máximo dos grileiros. Para acabar com esse mercado negro de lotes, criamos um programa habitacional chamado Habitar Brasília, que venderá, a partir do segundo semestre deste ano, lotes em Ceilândia, Planaltina, São Sebastião e Recanto das Emas, entre outras regiões. Terão prioridade as pessoas que já estão inscritas na Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab)”, informou Reis.
Fonte: Metropoles

2 comentários:

  1. Esse cara é um BANDIDO, acostumado a dá outros tipos de GOLPE também, um deles é conhecido como Trade esportivo..#CADEIANESSESAFADO#

    ResponderExcluir
  2. Esse cara ta dando golpe usando o trade desde do ano passado e continua dando esse golpe.

    ResponderExcluir